Rede de Bibliotecas de São Brás de Alportel

16
Out 08

“A Sombra do Vento" é um fantástico romance que transporta o leitor na transversalidade profunda de uma fascinante história, sobre os livros e as relações humanas, desenhada em contornos de inspiração gótica. Na misteriosa e nostálgica cidade de Barcelona dos anos quarenta, o autor explora, através dessas mesmas relações entre as personagens, sentimentos fortes e profundos, como o amor, a amizade, a nobreza, o ódio e o perdão. Numa dimensão que se pode considerar mágica, sem contudo negligenciar as premissas que constroem a realidade, esta história tatua no leitor a sensação de incapacidade de definição da fronteira concreta, que estabelece o limite da importância e do amor que um Ser Humano pode nutrir pelos livros e, simultaneamente, a profunda mudança que estes podem operar na sua vivência, quando ao sequestrarem a sua atenção, resgatam a sua alma. Um livro que ensina a amar os livros.

(martin jusefus)

 

“Retornados: um amor nunca se esquece”, é um romance da autoria do jornalista Júlio Magalhães. Numa escrita clara e acessível o autor oferece ao leitor uma nova perspectiva daquilo que foi a descolonização portuguesa e reconhece o valor de todos aqueles portugueses que regressaram ao seu país com o carimbo de “retornados”.
O autor a partir do drama vivido por milhares de famílias e das suas recordações de infância, em África, constrói um enredo onde a par do romance encontramos um relato da maior ponte aérea de que há memória em Portugal.

Fátima Sousa

 

 

Ler Manuel Teixeira Gomes é tomar contacto com um Algarve que já não existe. Daí a importância de ler qualquer texto de escritor algarvio, pois só assim ficamos a saber o que se perdeu desde então neste pedaço de país. E Teixeira Gomes não perde tempo a desenhar personagens, antes descreve um Algarve sensual, modorrento, de mulheres embiocadas, de homens com chapéus de abas largas, desconfiados e protectores da sua prole; nada inventa, pois tudo o que escreveu foi o que realmente viveu e observou no Algarve e nos países por onde viajou e residiu.

(J. P. Cruz)
 

Classificarmos esta obra como uma autobiografia ou memórias seria demasiado redutor.
O prazer que senti ao ler foi gerado pelo jogo narrativo usado pelo autor conjugado com o olhar de um homem, fortalecido por uma vida intensa, sobre os momentos de epifania e trevas da sua vida.
As memórias são os fragmentos circunscritos num tempo de encontro e desencontro com as pessoas/personagens que dão sentido à sua vida.
Contudo, estas personagens, avós, pais, familiares, companheiros de kibutz, amigos, outros escritores e vizinhos, ganham autonomia e aprisionam os capítulos.
As memórias do “re-nascimento” de Israel, como pátria, desde os tempos de protectorado inglês, são apresentadas ao leitor pelos percursos sinuosos de cada uma das vidas das pessoas/personagens com diferentes estatutos sociais, origens geográficas, línguas maternas e tradições, que se deslocaram em busca da terra prometida.
Apesar desta assombrosa obra que nos faz reflectir sobre a dimensão e a profundidade da vida humana, que não se confina ao modelo do que é politicamente correcto em cada época/geração, ainda não foi este ano que Amos Oz ganhou o Nobel da Literatura.
 

(tecas)

publicado por cef-sba às 15:00
Menú Principal:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


arquivos
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
mais sobre a rede
blogs SAPO